QUEM É LÍGIA DE LAURENTIIS

A militância de Lígia, 24 anos, começou em 2014, quando ingressou na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), para cursar Terapia Ocupacional, e a partir daí, se aproximou dos atos de rua. Para Lígia, só as revoluções, objetivas e subjetivas, são capazes de erguer uma nova estrutura, o caminho pela urgência de uma sociedade feminista, antirracista, democrática e socialista, que proteja e valorize a pluralidade das juventudes, frequentemente invisibilizadas pelo modelo conservador vigente: “Que estejamos disponíveis para transformar!”

Atualmente, Lígia cursa residência para se formar como profissional especialista em Saúde Mental, uma afinidade que vem desde a graduação. Durante essa trajetória, ela também se aproximou da clínica da infância e juventude, e do cuidado de adolescentes em cumprimento de medida sócio-educativa.

Há poucos, mas preciosos anos, Lígia se comprometeu a integrar à luta social organizada, se orientando pela Kizomba, movimento nacional de juventude, e pela resistência da Marcha Mundial das Mulheres. Nesse percurso, também experimentou as artes e a cultura – foi, mesmo que amadora, bailarina e musicista.